quinta-feira, 12 de abril de 2018

[G1] Hatmo promove encontro da guerreira Clara Braz com seu doador cearence

Encontro está agendado para a manhã de sábado (14) em frente ao Hemocentro, em Natal.


Um encontro entre um doador de medula óssea e uma garota de 10 anos que recebeu o transplante para curar uma leucemia. É desta forma, no sábado (14), que a será celebrada a páscoa da associação Hatmo (Humanização e Apoio ao Transplantado de Medula Óssea do Rio Grande do Norte). O evento está programado para acontecer às 8h em frente ao Hemocentro, em Natal.

O doador é Eduardo de Sá Costa, de 29 anos. Ele viajará 19 horas de Várzea Alegre, no Ceará, para conhecer a pequena Clara Braz, que há 2 anos recebeu o transplante. A menina foi diagnosticada com a doença quando tinha 4 anos. Até receber a medula, foram 2 anos e meio fazendo tratamento de quimioterapia. Após esse período, ela teve recaídas e foi indicada para o transplante.

“Não encontramos doador compatível na família. Depois que ela entrou no cadastro Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea) passou 1 ano esperando. Nesse ano, quase perdi minha filha, pois ela teve duas recaídas, mesmo fazendo quimioterapia”, relembra a mãe de Clara, Irani Braz.

Irani conta que o transplante teve que ser feito em Jaú, em São Paulo. É que, na época, os transplantes em crianças estavam paralisados no Rio Grande do Norte. “Encontramos dois doadores no Redome, mas em Natal os transplantes não estavam sendo realizados, então viajamos para São Paulo. Ficamos mais de 8 meses lá. Nesse período, ela chegou a ir para UTI e a ficar sem andar. Mas, hoje, minha filha está aqui para contar a história. Graças a Deus esse anjo maravilhoso apareceu”, conta, emocionada, a mãe da menina.

Hoje, Clara tem uma vida normal. Ela voltou a estudar depois de passar anos entrando e saindo da escola e de hospitais. Contudo, a cada três meses ela ainda precisa voltar a Jaú para consultas e exames. “Ela sentia muita falta da escola”, afirma Irani.

Surpresa autorizada


O encontro com o doador foi organizado pela Hatmo. Será uma surpresa para a menina. Quando é feito um transplante, os dados do doador de medula óssea ficam em sigilo até ser autorizada a divulgação pelo Redome. “Estou muito ansiosa. Fiquei muito nervosa quando soube, mas de felicidade. Sempre que conto a história, me emociono muito. É muito difícil relembrar tudo que passamos. É muito maravilhoso saber que vamos encontrar com o doador, porque ele deu a vida da minha filha de volta, com a ajuda de Jesus. Ele me fala que Clarinha que mudou a vida dele, mas eu não sei nem explicar o quanto ele foi maravilhoso para mim e poder abraçar ele é muito importante”, afirma Irani.

O transplante


Para realizar o transplante, Eduardo Costa também precisou viajar para Jaú. “Eles entraram em contato comigo uns dez meses antes. Pediram para que eu fizesse alguns exames, pois teriam encontrado uma pessoa compatível. Depois, recebi um telegrama pedindo para entrar em contato com o Redome e eles me perguntaram se eu teria interesse em fazer a doação. Falei que sim, me explicaram que eu não teria contato com a pessoa e nem com familiares dela e, se mesmo assim, eu desejaria fazer a doação. Logo após, entraram em contato para que eu viajasse para Jaú”, relata Eduardo, acrescentando que precisou ir até São Paulo por duas vezes: uma para os exames e outra para o transplante.

Ele lembra que quando recebeu o chamado pensou em não ir. “Mas, estaria indo contra o que aprendi com meus pais. Pois, mesmo eles não tendo condições financeiras, nunca os vi negarem ajuda a quem quer que fosse. Confesso que no dia em que viajei a primeira vez, comentei com o rapaz que me acompanhou: será que se fosse o contrário, essa pessoa faria isso que estou fazendo? Mas não me incomodei muito. Lembrei de uma frase que diz: faça o bem sem saber a quem. Então me apeguei a isso”, disse Eduardo Costa.

FONTE: G1

quarta-feira, 11 de abril de 2018

JUNTOS CONTRA A LEUCEMIA!

Tipo de câncer mais comum durante a infância, a leucemia linfoide aguda (LLA) não é uma doença hereditária e suas causas ainda não são conhecidas. A notícia boa é que, hoje, 90% das crianças em tratamento chegam à cura. Embora a maior parte dos casos aconteça em crianças, adultos também podem ser diagnosticados com a doença, e cerca de 50% dos que realizam o tratamento entram em remissão completa.

Ela acontece quando as células-tronco, responsáveis por dar origem aos componentes do sangue, sofrem alterações. Afeta a maior parte das células em formação, e por isso a produção de todas as células sanguíneas fica comprometida. Sua evolução é bastante rápida, tornando fundamental que o tratamento se inicie o quanto antes.

Sinais e Sintomas



Diagnóstico

Os exames que podem podem ajudar a detectar a LLA são: o hemograma completo (exame de sangue); o mielograma; a biópsia da medula; o exame de citogenética; e a Ultrassonografia. Converse com seu médico. É muito importante se sentir seguro!

O diagnóstico precoce é fundamental para bons resultados no tratamento, por isso é importante disseminar cada vez mais a informação e conscientizar a população dos principais sintomas da doença.

Junte-se conosco à esta linda campanha da ABRALE! Seja um multiplicador! Compartilhe este texto, use a hashtag #JuntosCONTRAaLLA, e participe do nosso grupo de voluntários interessados em trocar conhecimento sobre Saúde: https://www.facebook.com/groups/saudehatmo.

terça-feira, 27 de março de 2018

Faixa etária de transplante de medula para doença falciforme é ampliada

O Ministério da Saúde ampliou a faixa etária para indicação de transplante de medula aparentado para tratamento da doença falciforme - doença genética que atinge principalmente a população negra. Agora a idade não é mais critério de restrição para esse transplante, único método de curar a doença no SUS. Em 2015, foram diagnosticados 1.145 novos casos da doença no Programa de Triagem Neonatal do SUS. Antes, só podiam fazer o transplante, pessoas abaixo de 16 anos pois não havia dados científicos para atestar segurança e eficácia do procedimento para maiores dessa idade.




 A doença falciforme é genética e hereditária. A causa é uma mutação no gene que produz a hemoglobina A (HbA) originando uma outra mutante denominada hemoglobina S.

As pessoas com esse tipo de doença apresentam anemia crônica e episódios frequentes de dor severa, decorrentes do processo de vaso oclusão causados pela forma de foice (daí o nome falciforme) que as hemácias assumem. Além disso, essas pessoas apresentam vulnerabilidade a infecções, o sequestro esplênico (quando o baço acumula sangue), a síndrome torácica aguda (infiltrado pulmonar) e o priapismo (ereção involuntária que causa dor) são algumas das intercorrências frequentes nestas pessoas.

A realização do Teste do Pezinho, é fundamental para a identificação precoce e acompanhamento dos casos.

Páscoa da HATMO 2018



Existem várias simbologias nas comemorações da Páscoa. A cruz lembra a ressureição de Cristo, o cordeiro remete à libertação dos judeus no Egito, o coelhinho representa a multiplicação do nascimento, e os ovos coloridos, atualmente de chocolate, eram feitos com beterraba na primavera dos chineses.

A HATMO também tem sua maneira especial de celebrar esta festa. Todos os anos homenageamos os anjos que partiram do nosso convívio mas continuam vivos em nossos corações. É um ritual emocionante. A dor e a saudade se transformam em ação para lutarmos ao lado dos pacientes que prosseguem em tratamento médico.

Doar medula óssea é o presente mais simbólico que podemos oferecer nesta data. É a nossa chance de salvar vidas!

Por isso convidamos todos os cidadãos do Rio Grande do Norte para participar da nossa celebração de Páscoa, no próximo dia 14 de abril, a partir das 8h da manhã, no HEMONORTE (Avenida Almirante Alexandrino De Alencar, 1800 - Tirol - Natal/RN).

Vai ser uma ótima oportunidade para quem ainda não é cadastrado no REDOME (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea) se tornar doador. Basta fornecer dados de identificação (nome, endereço, identidade e CPF), e permitir a coleta de uma pequena amostra de sangue. Pessoas de 18 a 55 anos que tenham boa saúde e não tenham histórico de Câncer, Hepatite B ou C e HIV podem se cadastrar. A doação só acontece no caso de algum paciente ser compatível.


Às 10h seguiremos com nossos guerreiros e seus familiares para o Parque das Dunas, onde entregaremos doações de cestas básicas, suplemento alimentar, leite em pó, e ainda chocolates e confeitos para adoçar a batalha dos nossos coelhinhos.

Para fazer a sua doação ligue (84) 98805-8496 ou 99418-3361, e combine a entrega dos produtos na nossa sede (Rua Professor Olavo Montenegro n.3025, Bairro Capim Macio - Natal/RN - CEP 59078-330).

Traga a sua "Medula de Páscoa" e venha celebrar a vida conosco!

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Jantar Solidário da HATMO

A HATMO convida todos para mais um jantar solidário em apoio aos nossos guerreiros, encerrando o verão em grande estilo. Vai ser dia 03 de março de 2018, a partir das 19h, na sede da HATMO.



E desta vez o nosso cardápio está pra lá de especial. O menu conta com deliciosas lagostas gratinadas, além de um vasto cardápio com opções para todos os gostos e dietas.

E como não pode faltar nas festas da HATMO, vai ter muita música para alimentar a alegria de todos. Quem comanda o show é a consagrada cantora Nara Costa e o grande cantor e violonista Zeca Brasil.

Reserve já a sua senha antecipadamente. O convite individual custa apenas R$35, e a mesa para quatro convidados R$140. Ligue para os telefones (84) 98805-8496 ou 99418-3361, e confirme a sua presença, da família, e dos amigos.

Toda a renda do evento é investida no apoio e humanização do tratamento de pacientes encaminhados para transplante de medula óssea do Rio Grande do Norte.

Venha alimentar o corpo, a alma, e o coração!